20.04.2011Tampouco Roma evitou a chegada dos bárbaros

A princípios do século XX, havia menos de dois bilhões de habitantes e, ao terminar o século, éramos seis bilhões.
Para estudar este problema, em relação com a pobreza no mundo, tiveram lugar as Cúpulas de Copenhague, Cairo e Beijing. Comprovou-se que, onde as mulheres têm acesso à educação e a postos de trabalho em condições iguais aos homens, estabiliza-se a curva demográfica. O casamento se adia para mais de dez anos e a maternidade se torna mais responsável.
Nos países ricos, a natalidade descende de maneira alarmante e se aumenta o número de pessoas idosas. A população aposentada requer o aumento do número de imigrantes para cobrir postos de trabalho e garantir o pagamento das pensões através dos impostos à Previdência Social.
Nada de explosão demográfica se conseguimos a educação para todos, garantimos a saúde reprodutiva das mulheres e a possibilidade real de erradicar a fome em um mundo que se tornou global e próximo, em que todos somos responsáveis solidários.
Erradicar a fome e cuidar da saúde básica para todos se demonstra possível e inadiável, porque a vida sobre o planeta corre perigo. Se não por justiça, ao menos por interesse se impõe a cooperação.
Algo vai mal quando se mantém 34 guerras vivas, EUA e Inglaterra bombardeiam populações civis no Iraque contra todo o Direito, e o mundo livre tolera que Israel extermine ao povo palestino violando o direito internacional, que o torna odioso perante o mundo por executar um autêntico holocausto. EUA não controla a lavagem de 400 bilhões de dólares do narcotráfico em seus bancos, mas arma à Colômbia para bombardear suas plantações.
Uma centena de multimilionários pediram a Bush que não eliminasse o imposto sobre a herança, para que com os 236 bilhões de dólares poupados em uma década, pudessem voltar a investi-los. Denunciam que isto repercutiria sobre os mais pobres. É mais da metade do necessário para acabar com a fome no mundo.
Nunca a humanidade dispôs de tantos recursos para eliminar a pobreza e estabelecer a paz como fruto da justiça. Tampouco Roma se preparou para a chegada bárbaros.

José Carlos García Fajardo
Profesor Emerito da Universidade Complutense de Madrid. Diretor do CCS.
fajardoccs@solidarios.org.es